Grupos de Pesquisa

Nesta seção você encontrará os grupos de pesquisa de que Fernanda Mussalim participa.
CED

Círculo de Estudos do Discurso – UFU

Ver informações

CEPELP

Centro de Pesquisa em Ensino de Língua Portuguesa – UFU

Ver informações

FEsTA

Fórmulas e estereótipos: teoria e análise – UNICAMP

Ver informações

Projetos de Pesquisa em andamento

Nesta seção você encontrará os projetos de pesquisa desenvolvidos e/ou coordenados por Fernanda Mussalim que estão em andamento.
A problemática da anterioridade discursiva em Análise do Discurso: em pauta a dimensão cognitiva da teoria do discurso

Linha de pesquisa: Linguagem, discurso e cognição.

Financiamento CNPq.

Ver Informações

Processos editoriais e institucionais de gestão da imagem de autor: em pauta a identidade criadora de Mário de Andrade

Linha de pesquisa: Linguagens e Práticas discursivas.

Financiamento CNPq.

Ver informações

Projetos de Pesquisa encerrados

Financiamento CNPq.
Descrição: No presente projeto, desenvolvido sob os auspícios do CNPq (Bolsa Pesquisador Produtividade – nível 2), pretendo, com base em fundamentos teóricos da Análise do discurso literário proposta por Dominique Maingueneau e, fundamentalmente, com base na concepção de autor formulada por ele em seu livro Discurso literário (2006a), analisar parte da produção epistolar de Mário de Andrade, com o intuito de verificar os modos pelos quais se dá o imbricamento entre as três instâncias autorais postuladas por Maingueneau, a saber, a pessoa, o escritor e o inscritor. O corpus de análise compõe-se das cartas que Mário de Andrade escreveu a Manuel Bandeira entre os anos de 1922 e 1944. Em relação à metodologia de pesquisa, seguirei Dominique Maingueneau (2005) – segundo o qual o tratamento metodológico do corpus deve partir de hipóteses fundamentadas na história e em um conjunto de textos, sendo que a análise desse conjunto pode vir a confirmar ou refutar as hipóteses estabelecidas – e Michel Pêcheux (1983/1990) – que propõe que uma metodologia de análise discursiva deve implicar movimentos de alternância entre os gestos de descrever o corpus e interpretá-lo.
Alunos envolvidos: Graduação: (3) / Mestrado acadêmico: (6) / Doutorado: (3).
Integrantes: Fernanda Mussalim – Coordenador.
Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – Bolsa.
Número de orientações: 12

Descrição: A noção de gênero do discurso postulada por Mikhail Bakhtin tem norteado uma grande parcela de propostas de ensino de língua portuguesa. O teórico postula que os enunciados e seus tipos, isto é, os gêneros do discurso, são correias de transmissão entre a história da sociedade e a história da linguagem. Uma concepção como essa ? de base sócio discursiva ? pressupõe que a produção de linguagem não se dá apenas por meio da atualização de um código gramatical, mas à medida em que moldamos o nosso dizer às formas de um gênero no interior de um campo de atividade. Assim, uma compreensão mais adequada da história da linguagem só pode se dar a partir do estudo do enunciado como unidade real da comunicação discursiva, do mesmo modo que uma melhor caracterização da história da sociedade implica que voltemos o olhar para a história da produção da linguagem, para as atividades de linguagem, para as rotinas discursivas, ou seja, para os gêneros do discurso que essa mesma sociedade tornou e torna possíveis. Mais recentemente, outros autores, também fundamentados numa perspectiva sócio discursiva de linguagem, têm se debruçado sobre a problemática dos gêneros do discurso e contribuído, cada um a sua maneira, com a reflexão em torno do tema.Vinculado ao CEPELP/UFU (Centro de Pesquisa em Ensino de Língua Portuguesa), este projeto, que envolve alunos da graduação e pós-graduação do Instituto de Letras e Linguística da Universidade Federal de Uberlândia, pretende considerar o modo com Dominique Maingueneau compreende a problemática dos gêneros e em que ponto específico sua reflexão pode contribuir para esclarecer algumas querelas que repetidamente tomam lugar no cenário de classificação dos gêneros, bem como no seu ensino.

Descrição: O intuito fundamental deste projeto, vinculado ao Centro de Pesquisa FEsTA (IEL/UNICAMP), é abordar a problemática da construção/reprodução de estereótipos femininos em propagandas publicadas em revistas destinadas à mulher, entre os anos 1980 e 2000 no Brasil, e sua possível relação com o processo de identificação da mulher brasileira com tais estereótipos. Proponho-me aqui, a partir desse objetivo central, problematizar especificamente a relação, muitas vezes dada como direta, entre os enunciados e as imagens veiculados nessas propagandas e o processo de identificação da leitora com certos estereótipos femininos, a fim de, contrariamente, sustentar que esse processo de identificação ocorre devido à “incorporação” (cf. MAINGUENEAU, 2002) por parte do sujeito-leitor de identidades construídas no discurso publicitário a partir de estereótipos sociais.

Financiamento CNPq.
Descrição: Neste projeto, pretendo verificar, fundamentalmente, a relação entre ethos e estilo. Mais especificamente, gostaria de, debruçando-me sobre as práticas discursivas do grupo dos primeiros modernistas no Brasil, verificar em que medida a constituição de um novo posicionamento enunciativo no campo discursivo da arte brasileira implica modos de enunciação específicos, caracterizadores de certo estilo e constitutivos de um ethos discursivo. O corpus é constituído pelas manifestações verbais produzidas pelo grupo dos primeiros modernistas no Brasil – mais especificamente a crítica produzida por eles e publicada na imprensa brasileira entre os anos de 1917 e 1929; suas produções estéticas – pintura (Abaporu, de Tarsila do Amaral), música (Choros X de Villa-Lobos) e literatura (Macunaíma: o herói sem nenhum caráter de Mário de Andrade); e o modo de organização e movimentação do grupo no espaço social paulista. A fundamentação teórica desta pesquisa, a ser desenvolvida no campo da Análise do Discurso, considerará fundamentalmente a hipótese da semântica global, proposta por Dominique Maingueneau em Gênese dos Discursos. Serão mobilizados, além dos conceitos que compõem o quadro teórico de Gênese (interdiscurso, posicionamento, prática discursiva, prática intersemiótica, interincompreensão, cena da enunciação, ethos), alguns outros conceitos de extrema relevância para o desenvolvimento deste projeto, dentre eles, os conceitos de discurso constituinte, interlíngua e estilo.

Financiamento CNPq.
Descrição: Com base no referencial teórico da Análise do Discurso, e agregando alunos da graduação e da pós-graduação da Universidade Federal de Uberlândia, este projeto visa produzir trabalhos relacionados à temática da constituição e legitimação de identidades na arte, na mídia e na educação que, em alguma medida, contribuem para uma abordagem esclarecedora das seguintes questões: a) Constituição e legitimação de uma identidade linguística: de que maneira se constituiu a discussão em torno da existência ou não de uma identidade linguística nacional; quais foram/são as instâncias que, ao longo do tempo, legitimaram a existência de uma língua nacional (gramática, livros didáticos, literatura, documentos, povo, mídia); como podemos encontrar, nos discursos e nas práticas produzidos nessas instâncias, ecos de uma certa tradição discursiva em que, contraditoriamente, conviveram a busca por uma identidade linguística brasileira e a reverência aos padrões clássicos e portugueses de língua e literatura. b) Constituição e legitimação de subjetividades: de que maneira se constituem e legitimam as identidades referentes ao gênero (homem/mulher) na mídia e na arte; de que maneira se constitui o efeito-autor – ou seu apagamento – em gêneros discursivos produzidos no campo midiático, artístico/literário e educacional; c) Constituição e legitimação de gêneros discursivos e instâncias enunciativas: constituição, legitimação e funcionamento de gêneros discursivos (a noção de gênero pressupõe identidade) produzidos no campo midiático, artístico/literário e educacional; constituição, legitimação e funcionamento de instâncias enunciativas (a noção de instância enunciativa pressupõe identidade em relação a certa posição enunciativa) inscritas no campo midiático, artístico/literário e educacional – revistas, jornais, gramáticas, materiais didáticos, documentos, etc.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Mestrado acadêmico: (6) / Mestrado profissional: (0) / Doutorado: (2).
Integrantes: Fernanda Mussalim – Coordenador.
Número de orientações: 9

Financiamento CAPES.
Descrição: Neste trabalho, propus-me a analisar de que modo se deu a constituição do discurso da crítica moderna no Brasil, a partir da análise de artigos publicados na imprensa brasileira entre os anos de 1917 e 1929. Para proceder à análise, me vali do conceito de semântica global que Maingueneau apresenta em Genèses du discours (1984). Analisando discursos publicados na imprensa no início do século XX, apontei como se deram os embates entre a arte moderna, que começava a se manifestar no Brasil, a “velha arte” e a vanguarda europeia. A partir de um tema largamente discutido pela crítica da época, a saber, o da representação da realidade, procurei mostrar por que caminhos interdiscursivos o discurso modernista constrói a própria identidade. Na análise, abordei, entre outras coisas, aspectos relacionados à materialidade discursiva, no intuito de mostrar que o modo de funcionamento do filtro semântico do sistema de restrições do discurso modernista sustenta-se sobre uma base linguística: o discurso modernista estabelece, com os outros discursos com os quais trava embates, relações de negação, concessão e denegação, verificáveis na estruturação sintática desse discurso.
Alunos envolvidos: Graduação: (0) / Especialização: (0) / Mestrado acadêmico: (0) / Mestrado profissional: (0) / Doutorado: (0).
Integrantes: Fernanda Mussalim – Coordenador.